Working smarter…not harder!

Working smarter…not harder!

Vivemos atualmente numa era em que 4 gerações “co habitam” no mercado de trabalho e, num mundo em que as coisas evoluem de forma quase imediata, e a informação está à distância de um clique, é cada vez mais importante que as entidades empregadoras compreendam o que procuram as novas gerações e quais as suas expectativas. Quais são as características destes futuros líderes?

 

São Tech-saavy

Internet, smartphone, social media… estes não são de todo conceitos estranhos para esta geração. Numa era em que o digital substitui até as tarefas mais simples e nos acompanha em quase todas as atividades diárias do trabalho e da vida pessoal, os membros desta geração tendem a ser mais impacientes e ávidos por informação imediata. Para ontem. Por esta razão, é também eleita a comunicação por chats ou email, em detrimento do contacto pessoal.

Procuram Agilidade e Flexibilidade

O tempo dos tradicionais gabinetes ou cubículos individuais já lá vai e é sabido que hoje, o open space, é uma prática comum. A falta de barreiras e paredes, promove uma comunicação mais eficiente e desmistifica hierarquias. Mas não ficamos por aqui. Estas gerações têm um conceito muito sólido de work-life balance, que pressupõe uma valorização da vida pessoal e a procura de prazer na atividade profissional.

Ainda assim, esta filosofia hedonista não compromete a sua ética profissional: os jovens de hoje são focados em objetivos e acreditam ser mais produtivos nos seus horários e locais de eleição (qualquer lugar com wi-fi), podendo encontrar um equilíbrio entre o trabalho e atividades pessoais. Cada vez mais é procurada (e possível, em algumas áreas de negócio!), esta flexibilidade e informalidade no local de trabalho, promotora de felicidade e produtividade.

Necessitam de Reconhecimento

A impaciência e foco na agilidade e rapidez, também se refletem nas relações dentro das empresas. Com um espírito de autodesenvolvimento e a necessidade de uma sólida curva de aprendizagem, os jovens de hoje caracterizam-se também pela vontade de obter feedback regular e quase imediato. Para além de se identificarem com a função, precisam continuamente de se sentir desafiados. Ambiciosos por natureza, apreciam um “mentor” que os oriente e os ajude a tornarem-se melhores profissionais, uma prática que provavelmente irão aplicar no futuro junto das suas equipas e reportes, de forma informal, mas sempre com foco no seu desenvolvimento.

Cresceram num Mundo em constante movimento

É assim que se caracteriza a realidade para esta geração que cresceu e que a torna avessa à estabilidade e acomodação, mas que, ao mesmo tempo lhe concede uma capacidade de adaptação superior às gerações anteriores. Isto porque nos dias de hoje, a mudança frequente de emprego, de casa, ou de país é vista como algo normal e inerente a estes jovens adultos, fazendo com que seja comum a mudança de trabalho ao final de 2 ou 3 anos. Tal situação deve-se à dinâmica do mercado e a outros fatores como: a falta de motivação, pouca flexibilidade ou limitada margem para crescimento.

 

Em suma, a Geração de líderes futuros que está a tomar o mercado de trabalho, procura muito mais que um salário atrativo, e menos estabilidade e comodidade. A competitividade das empresas, por se tornarem melhores empregadores e serem mais eficazes na retenção dos seus colaboradores, tem cada vez mais que passar por proporcionar ambientes que garantam a liberdade e flexibilidade dos colaboradores, aliadas à margem para progressão profissional e mobilidade funcional ou até geográfica.

Sabendo que pessoas felizes trabalham mais, melhor e durante mais tempo, será importante adaptar a forma de trabalhar a este renovado mundo e gerações, para o sucesso individual e conjunto da nossa sociedade e meio empresarial!

Rita Veiga