Modelos de Organização de Equipas

O Propósito
 
Com a crescente evolução tecnológica, as empresas estão em constante mutação e todas as direções são essenciais para o negócio.
Um cliente nosso, uma empresa multinacional farmacêutica, pretendia reestruturar o seu departamento de RH, de forma a tornar o mesmo um verdadeiro parceiro de negócio.
 
Nesta situação, o desafio era ajudar o cliente a organizar a sua equipa de RH e definir uma estratégia para os mesmos, tendo conhecimento do que o Mercado faz, das competências existentes na equipa e dos objetivos da Organização.
 
 
O Caminho
 
Num primeiro momento, foi importante perceber o que a empresa nossa cliente esperava do departamento de RH. Assim, definimos uma estratégia em conjunto:
  • Foram realizadas entrevistas top down e facilitados grupos de discussão, de forma a conseguirmos compreender qual deveria ser a missão do departamento e o papel expectável do mesmo, tendo em vista a estratégia/objetivos da empresa;
 
  • Identificámos, a nível nacional e internacional, as principais empresas de referência no sector de atividade do nosso cliente, e outras empresas, de dimensão semelhante, consideradas uma boa escola em RH. Esta identificação teve como propósito compreender os diferentes modelos organizacionais existentes nos departamentos de RH respetivos, bem como a análise das principais vantagens e desvantagens;
 
  • Da análise da informação recolhida nos momentos anteriormente descritos, resultou a definição das estruturas que melhor serviam os objetivos do nosso cliente, por ordem decrescente de adequabilidade ao pretendido. Ou seja, face à estratégia da empresa, quais as alternativas de modelo organizacional passíveis de implementar no seu departamento de RH, tendo em vista uma relação de parceria efetiva entre este e as áreas de negócio;
 
  • Adicionalmente, entrevistámos os profissionais de RH do nosso cliente, com o intuito de perceber o seu perfil de competências interpessoais, potencial de desenvolvimento, expetativas de progressão e motivações.
 
Da análise conjugada, entre os modelos organizacionais preferencialmente adotáveis pelo nosso cliente, e os perfis dos atuais colaboradores, foi possível perceber quais os melhor avaliados para preencher “as caixas” dos organogramas alternativos e quais os gaps existentes, de forma a definir-se, entre outras, quais as necessidades de recrutamento para a área e as de desenvolvimento/formação dos atuais colaboradores.
 
Estas conclusões permitiram que o nosso cliente ficasse com uma ideia mais real do nível de investimento necessário a cada uma das alternativas possíveis, bem como o tempo expetável como necessário a que a equipa funcionasse em pleno.
 
 
O Impacto
 
Analisámos o mercado de forma a efetuar benchmarking dos modelos organizacionais mais adequados para a sua estratégia de negócios e ajudámos o Top Management a tirar melhor partido das competências que tem nas suas equipas.
Com a informação resultante do nosso trabalho, o nosso cliente conseguiu tomar uma decisão mais informada e alinhada com as necessidades identificadas pelo negócio no que concerne ao papel pretendido do departamento de RH, assim como todas as medidas a implementar.

Posts em destaque

Aspectos a ter em conta na Atração de talento jovem - Parte II
12 Fevereiro 2018
Partilhar
Talent Mapping
04 Janeiro 2019
Partilhar
Formação em Boas Práticas de Recrutamento
04 Janeiro 2019
Partilhar